domingo, 3 de maio de 2009

Saúde das Mulheres: Obesidade, Artrite e a Sensibilidade ao Tabaco

1. Pesquisadores do Centro Médico da Universidade de Duke (EUA) acompanharam quase seis mil mulheres com faixa etária a partir de 65 anos e observaram que elas sofrem duas vezes mais de obesidade e de artrite que os homens, fatores que levam ao comprometimento significativo da qualidade de vida entre idosos. Ou seja as mulheres vivem mais que os homens, mas possuem maior risco para uma qualidade de vida comprometida. Foi a primeira vez que um estudo avaliou o impacto de condições crônicas específicas, comparando-as entre homens e mulheres idosos. Mais uma razão para combater o sedentarismo e o erro alimentar entre adultos, jovens e crianças.
2. As diferenças entre os sexos também foram confirmados em outro estudo, que considerou um dos mais perigosos vilões para a saúde humana. Resultados de pesquisas apresentadas na Conferência Européia Multidisciplinar em Oncologia Torácica (EMCTO), realizada em Lugano (Suíça), demonstram que as mulheres são mais vulneráveis aos agentes cancerígenos presentes no tabaco. Pesquisadores suíços estudaram 683 mulheres referenciadas para o tratamento de câncer do pulmão e observaram que além de serem mais jovens, haviam fumado tabaco em quantidades muito menores que o grupo masculino ajustado para idade, consumo de tabaco e condição clínica.
3. Mas nem tudo é adversidade. Há um dado animador para as mulheres submetidas ao tratamento cirúrgico para câncer de pulmão. Segundo estudo irlandês apresentado na mesma conferência, que acompanhou por dez anos 640 pacientes submetidos à cirurgia para câncer pulmonar de células não pequenas, foi observado que as mulheres apresentaram melhores chances de sobrevida: duas vezes maior quando comparada aos homens participantes daquela coorte de pesquisa . De qualquer modo, quer para mulheres quer para homens, as melhores receitas são não fumar e deixar de fumar.

2 comentários:

alvaro disse...

Interessante estes estudos, gostaria de saber em qual revista eles foram publicados. Acredito sim que todos deveríamos combater o sedentarismo, mas isso não significa colocar todo mundo para fazer qualquer tipo de atividade, e nem tão pouco atividades com poucas orientações ou mesmo sem, poderemos estar chegando ao caminho comum, menos obesidade, talvez menos artrite, mas, muito mais casos de problemas osteomusculares, causando uma piora na qualidade de vida.

Itajaí de Albuquerque disse...

Olá, Álvaro!
Você está certo quanto a necessidade de atividades físicas serem indicadas e supervisionadas por profissionais.
Não tenho onde os artigos foram publicados, se é que já o foram, mas recomendo que acesse a página eletrônica do congresso onde as comunicações foram feitas:
http://www.esmo.org/events/lung-2009.html
Obrigado pela visita.