segunda-feira, 4 de maio de 2009

Parecia Ciência e Era Propaganda

Estudos sobre o mercado tecnológico têm chamado atenção para a necessidade de regular as atividades mercadológicas do chamado complexo industrial da saúde. Não faltam exemplos ilustrativos para justificar a recomendação, dentre eles o emblemático caso do anti-inflamatório Vioxx, licenciado e levado ao mercado sem as cautelas necessárias.
De fato qualquer poder, incluído o referente a indústria da saúde, desgovernado desconhece limites éticos para a política de mercado que adota. Prova-o a escandalosa matéria publicada na revista eletrônica The Scientist, onde consta a gravíssima denúncia: a indústria farmacêutica Merck, em parceria com a até então respeitável casa editora Elsevier, financiou a publicação de periódico internacional que fazia parecer que publicava artigos científicos revisados por pares independentes, conforme é recomendado aos periódicos científicos que justifiquem esse nome, mas que na realidade não o eram, serviam a oculta estratégia de marketing empresarial. O Australasian Journal of Bone and Joint Medicine cumpria apenas o papel de anunciar e vender os produtos do famoso laboratório a quem acreditava ler informação científica produzida por autores não financiados pela indústria. O detalhes do caso podem ser lidos aqui em inglês.

2 comentários:

Carlos Barretto disse...

E olha que no Brasil e no mundo, já existe regulamentação versando sobre os chamados "conflitos de interesse" na produção científica.

Itajaí de Albuquerque disse...

E não é!? Mas a moçada sempre acha que pode aprontar.